quarta-feira, 24 de outubro de 2012

GLOBO É ACUSADA DE CRIME ELEITORAL POR EDIÇÃO TENDENCIOSA DO JN



Até a insuspeita Folha de São Paulo notou a cobertura desproporcional, ilegal e até criminosa que oJornal Nacional fez da sessão de terça-feira (23.10) do julgamento do mensalão. Segundo a matéria em tela, o telejornal gastou 18 dos 32 minutos de sua edição de ontem com esse assunto. Abaixo, o texto daFolha.

—–
FOLHA DE SÃO PAULO

24 de outubro de 2012

‘JN’ dedica quase 20 minutos a balanço do julgamento

DE SÃO PAULO

O “Jornal Nacional” da TV Globo, programa jornalístico mais assistido da televisão brasileira, dedicou ontem 18 dos 32 minutos de sua edição a um balanço do julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal.

O telejornal exibiu oito reportagens sobre o tema, contemplando desde o que chamou de “frases memoráveis” proferidas no plenário do STF às rusgas entre os ministros Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandovsky, respectivamente relator e revisor do processo na corte.

O segmento mais “quente” do telejornal, dedicado às notícias do dia (debate do tamanho das penas e a decisão de absolver réus de acusações em que houve empate no colegiado) consumiu 3min12s.

O restante foi ocupado pelo resumo das 40 sessões de julgamento.

—–

Há, ainda, um agravante. O assunto foi ao ar no JN imediatamente após o fim do horário eleitoral, que, em São Paulo, foi encerrado com o programa de Fernando Haddad. E tem sido assim desde que começou o segundo turno – o noticiário do mensalão é apresentado pelo telejornal sempre “colado” ao fim do horário eleitoral.

O objetivo de interferir no pleito do próximo domingo em prejuízo do Partido dos Trabalhadores e dos outros partidos aliados que figuram na Ação Penal 470, vem sendo escancarado. Ontem, porém, essa prática ilegal chegou ao ápice.

A ilegalidade é absolutamente clara. Para comprovar, basta a simples leitura da Lei 9.504/97, a chamada Lei Geral das Eleições, que, em seu artigo 45, caput, reza que:

Caput – A partir de 1o de julho, ano da eleição, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, conforme incisos:

III – Veicular propaganda política, ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus orgãos ou representantes;

IV – Dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação;

V – É vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário, veicular ou divulgar filmes, novelas, minisséries ou qualquer outro programa com alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente (…)

Apesar de a Globo poder alegar que estava apenas reproduzindo um fato do Poder Judiciário, a intenção de usar as reiteradas menções dos ministros do Supremo Tribunal Federal ao Partido dos Trabalhadores é escancarada ao ponto de ter virado notícia de um jornal absolutamente insuspeito de ser partidário desse partido.

Conforme reza a lei, é vedada prática da qual o JN abusou, ou seja, fazer “Alusão ou crítica a candidato ou partido político, mesmo que dissimuladamente”. Ora, de dissimulado não houve nada. O PT foi citado reiteradamente pela edição do JN de forma insistente e por espaço de tempo jamais visto em uma só reportagem.


A Lei Eleitoral recebe interpretação pela Justiça Eleitoral, ou seja, ela julga exatamente as nuances das propagandas, dos programas em veículos eletrônicos e até mesmo na imprensa escrita e na internet.

O uso de uma concessão pública de televisão com fins político-eleitorais também viola a Lei das Concessões, cujo guardião é o Ministério das Comunicações.

Diante desses fatos, comunico que a ONG Movimento dos Sem Mídia, da qual este blogueiro é presidente, apresentará, nos próximos dias, representações à Procuradoria Geral Eleitoral e ao Ministério das Comunicações contra a TV Globo por violação da Lei Eleitoral, com tentativa de influir em eleições de todo país.

Detalhe: será pedido ao Minicom a cassação da concessão da Rede Globo por cometer crime eleitoral

Por certo não haverá tempo suficiente de fazer a representação ser apreciada por essas instâncias antes do pleito, mas isso não elidirá a denunciação desse claro abuso de poder econômico com vistas influir no processo eleitoral. Peço, portanto, o apoio de tantos quantos entenderem que tal crime não pode ficar

 impune.

Blog da Cidadania 

sábado, 6 de outubro de 2012

O PT em Patos de Minas

Sempre me questionei,por que o Partido dos Trabalhadores PT,  tão forte no âmbito nacional não consegui adentrar na sociedade patense? É nítido que o conservadorismo se faz presente numa cidade com quase 140 mil habitantes, mas não seja por isso é uma cidade polo.Sempre dominada por duas forças politicas arquirrivais: Arlindo Porto Neto presidente da CEMIG versus Elmiro Nascimento secretário de Agricultura do governo mineiro.Essa politica dos coronéis, ainda é viva nesta cidade e nas eleições 2012, falta opção.
As palavras de um dos fundadores do PT em Patos de Minas,e vereador sobre o PT em Patos.


terça-feira, 2 de outubro de 2012

Gilmar Machado PT lidera em todos segmentos, diz Ibope


O perfil dos eleitores de cada candidato foi demonstrado pela pesquisa estimulada do Ibope CORREIO de Uberlândia/TV Integração. Gilmar Machado (PT) tem mais inserção no eleitorado feminino (56%), com idade entre 25 e 29 anos (57%), com ensino médio (59%) e com renda mensal entre dois e cinco salários mínimos (58%). Na comparação com a pesquisa anterior do Ibope, houve alteração no quesito “gênero”, já que havia mais potenciais eleitores homens do que mulheres para o concorrente do PT no cenário revelado em agosto.

Há um equilíbrio entre os propensos eleitores de Luiz Humberto Carneiro (PSDB) no item “gênero”. São 25% de mulheres e índice idêntico para homens, eleitorado no qual o candidato teve crescimento de 8 pontos percentuais. O candidato tem mais ascendência sobre o eleitorado com idade entre 30 e 39 anos (28%), com ensino superior (36%) e com renda acima de cinco salários mínimos (34%). Na pesquisa anterior, Luiz Humberto Carneiro tinha maior inserção entre mulheres, na faixa dos 16 aos 24 anos, e com escolaridade da 5ª à 8ª série. Houve incremento na participação do concorrente do PSDB na faixa de renda superior a cinco salários mínimos, passando de 28% para 34%.

Gilberto Cunha (PSTU) tem participação semelhante entre homens e mulheres (3%), com índice idêntico de 4% para as faixas etárias dos 16 anos aos 24 anos, dos 25 aos 29 anos e dos 40 aos 49 anos e presença idêntica na faixa de renda de até dois salários mínimos e de dois a cinco salários mínimos (4%). Na pesquisa anterior, Gilberto Cunha tinha mais preponderância na faixa de renda com mais de cinco salários mínimos.

Falha a estratégia de Aécio para barrar o PT nas maiores cidades


Eis que na reta final de campanha, os petistas cresceram e garantiram vitória antecipada em Uberlândia, Ipatinga e, provavelmente, Governador Valadares. Para os segundo turno, a sigla já está praticamente garantida na disputa de Juiz de Fora, Montes Claros e Contagem.

Apenas em Uberaba, onde o pleito será em dois turnos pela primeira vez, o PT não consegue emplacar. Lá, quem liderava a pesquisa, na semana passada, era o deputado federal do PMDB, Paulo Piau, seguido pelo deputado estadual Lerin, do PSB, o mesmo partido de Marcio Lacerda.

A última pesquisa realizada em Juiz de Fora mostrava o quadro definido, garantindo a primeira posição para a petista e ex-reitora Margarida Salomão, seguida do deputado do PMDB, Bruno Siqueira. Por sua vez, o prefeito Custódio Mattos, do PSDB, prometeu a seus parceiros da Cidade Administrativa que iria reverter sua colocação, passando para o segundo lugar nesta reta final da disputa.

A surpresa para quem conhece a política mineira foi o crescimento do representante do PT de Montes Claros. O deputado Paulo Guedes, de acordo com as últimas sondagens, aumentou em quase 100% a sua preferência eleitoral, podendo até mesmo ser o primeiro da lista no segundo turno. Com isto, Jairo Ataide, Humberto Souto e Ruy Muniz disputam cabeça a cabeça para saber quem vai para a segunda etapa.

Em Contagem, o segundo colégio eleitoral de Minas, o representante do PT, Durval Ângelo, apoiado pela prefeita Marília Campos, está conquistando o apoio junto ao povão. Ele, pelos dados da semana passada, caminha a passos largos para se igualar a Ademir Lucas, do PSDB, na hora de concluir a eleição no final de outubro. O candidato do PCdoB, Carlin Moura, teria perdido força nesta reta final.

Faltou estrutura

Os deputados da base aliada do governo mineiro reclamam da falta de estrutura para realizar bons trabalhos como de seus adversários. Muitos parlamentares dizem que o senador Aécio Neves se viu obrigado a concentrar suas atenções na candidatura de Marcio Lacerda, em BH, deixando para discutir os temas regionais somente agora na reta final.

A consequência desta atitude tucana é que, a partir do dia 7 de outubro, vão precisar de muito esforço para reverter ao menos em parte a tendência petista de continuar dando as cartas nos grandes municípios mineiros. Vale dizer: vão precisar trabalhar dobrado nas cidades onde o pleito acontecerá em dois turnos, para poder comemorar alguma vitória.

sábado, 15 de setembro de 2012

Ou o PT acaba com a Veja ou a Veja acabará com o PT

Mais um factóide de Veja



Veja não se emenda não.Depois de pegar pesado com o presidente Lula durante oito anos de governo, agora, na reta final do processo do mensalão, publica mais um factóide que tem como um dos objetivos arrastar Lula para o processo.Segundo li por aí, Veja não traz nenhuma novidade na edição desta semana, apenas repete o que foi dito há mais ou menos um mês, que Marco Valério teria provas que comprovariam que Lula foi o chefe do mensalão.Como sabido, essa denúncia se derreteu como sonrizal em água.Tentou-se, por meio do advogado do corrupto Roberto Jefferson, incluir Lula no processo, porém, o STF indeferiu, à unanimidade, o pedido.Agora, a Veja retorna com a corda toda.Com uma matéria toda em off, informa que um sobrinho de uma tia de um afilhado de um irmão de Marcos Valério disse à revista que Marcos Valério está propenso a fazer delação premiada com o objetivo de arrastar Lula para a Ação Penal 470.Como já dito, a matéria da Veja é toda na base do off, do ouvir dizer, não aponta nenhum documento, nenhum vídeo, nenhuma testemunha que comprove os fatos relatados.Mas a Veja não só quer arrastar Lula para o processo.O objetivo de Veja é muito maior que esse. Na verdade, Veja tenta dar um forcinha a candidatura fracassada de José Serra, que despejou milhões de reais dos paulistanos para abastecer o cofre do tablóide da Abril(observe-se que Serra já correu para a Folha para pedir que "Ministério Público e a Justiça" investiguem a suposta acusação feita pelo publicitário, o brandidão Roberto Freire também já distribuiu nota pedindo abertura de processo).Esta matéria, como outras produzidas pelo assessor de imprensa de Carlinhos Cachoeira, terá o mesmo destino dos fogos de artifício:iluminam a festa mas se apagam no final.Resta ao governo Dilma parar de abastecer os cofres da Veja e lutar pela aprovação da Ley dos Médios.Resta ao PT agilizar a CPI da Privatariua Tucana e pedir a convocação de Roberto Civita e Policarpo Caneta para deporem na CPI do Cachoeira.Vamos lá petista, reajam, reajam!

sábado, 30 de junho de 2012

PT de Belo Horizonte rompe com PSB e lança candidatura própria

O PT de Belo Horizonte acaba de romper a aliança com o prefeito Marcio Lacerda (PSB). Por 11 votos a 4, a legenda decidiu lançar candidatura própria. O vice-prefeito Roberto Carvalho irá encabeçar a chapa que irá concorrer à Prefeitura de Belo Horizonte. Agora, resta escolher que será o vice.

A direção nacional do PT ainda pode reverter o quadro. "Se a direção nacional e o Lula quiserem, eles podem mudar isso", afirmou o ex-deputado Virgílio Guimarães. Na sede municipal do PT, apenas a ala do vice-prefeito está presente. "Quem rompeu foi o PSB", acusou Carvalho. A medida foi tomada após o secretário de Finanças do PSB, Pier Senese, entregar aos petistas uma carta em que comunica ã decisão da legenda de não se coligar com o PT na chapa para vereadores.

Nos bastidores, o senador Aécio Neves (PSDB) teria dito aos socialistas que romperia com Lacerda se o PSB formasse coligação proporcional com o PT. E também teria pedido a presidentes de pelo menos nove partidos que deixassem o prefeito caso não cumprisse as exigências dos tucanos.

Carvalho informou que não irá entregar os cargos que os petistas possuem na administração de Lacerda. "Fomos eleitos com ele", disse. Agora, o PT negocia com o PR uma composição para a chapa majoritária.



Hoje em dia 

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Paraguai sai e Venezuela entra


Por Altamiro Borges

O golpe relâmpago no Paraguai já produziu os seus primeiros efeitos no bloco de integração regional da América do Sul. A reunião do Mercosul em Mendoza, na Argentina, encerrada hoje à tarde, decidiu suspender o Paraguai até as novas eleições presidenciais no país e, ao mesmo tempo, aprovou a incorporação da Venezuela como “membro de pleno direito” a partir de 31 de julho.

As decisões foram anunciadas pela presidenta Cristina Kirchner, anfitriã da cúpula. “O Mercosul suspende temporariamente o Paraguai até que se leve a cabo o processo democrático que novamente instale a soberania popular no país”. Ela também confirmou a incorporação da Venezuela, há muito solicitada, mas que era barrada pelo mesmo Senado golpista do Paraguai.

Medida branda contra os golpistas
O golpe no Paraguai foi o principal ponto de pauta da reunião em Mendoza. Já na abertura da cúpula, a presidenta argentina foi dura na condenação aos golpistas. “Houve uma ruptura da ordem democrática na República do Paraguai... Parece uma paródia de julgamento o que aconteceu contra Lugo, porque não há no mundo um julgamento político sem a possibilidade de defesa”.
Havia expectativa de que o Mercosul fosse além da simples suspensão política do governo golpista. Alguns chanceleres defendiam a aplicação de sanções econômicas, como o bloqueio comercial e o cancelamento de empréstimos. No final, vingou a tese de que tais medidas penalizariam o povo paraguaio e representariam uma ingerência indevida nos assuntos internos do país vizinho.

Lugo rejeitou as sanções econômicas
O próprio presidente deposto, Fernando Lugo, declarou-se contrário à proposta de sanções econômicas. Ele lembrou que o país tem alta dependência econômica do bloco. Brasil, Argentina e Uruguai absorvem 55% das exportações do Paraguai. Para ele, qualquer medida econômica, como a suspensão dos vários acordos de cooperação e financiamento, atingiria duramente o sofrido povo paraguaio.

Essa é a primeira vez desde a formação do Mercosul, de 1991, que um dos países membros é proibido de participar da reunião e é suspenso do bloco. A medida é baseada num protocolo assinado no final dos anos 1990. Na época, a cláusula democrática do chamado documento de Ushuaia foi feita a pedido do próprio Paraguai após o país viver uma grave crise institucional.

Golpistas e mídia sentem o baque

O governo golpista de Federico Franco já sentiu o baque. O Ministério de Relações Exteriores do Paraguai divulgou nota criticando a suspensão. No maior cinismo, alegou que o país não teve direito de defesa e que a decisão foi sumária – os mesmos argumentos usados pelos que condenam os métodos fascistóides dos golpistas. A mídia colonizada também chiou contra a tímida medida.

Em editorial, o jornal Estadão esbravejou que “o Mercosul será um bloco muito menos comprometido com a democracia se os presidentes do Brasil, da Argentina e do Uruguai decidirem afastar o Paraguai, temporária ou definitivamente, e abrirem caminho para o ingresso da Venezuela, país comandado pelo mais autoritário dos governantes sul-americanos, o presidente Hugo Chávez”.

Na avaliação deste jornal tão servil ao império, afastado o Paraguai, “o Mercosul será governado pelo eixo Buenos Aires-Caracas. Quaisquer compromissos com a democracia serão abandonados e as esperanças de uma gestão racional do bloco serão enterradas”. Os golpistas do Paraguai e a mídia colonizada não toleram o Mercosul, nem com sua branda resolução de Mendoza. Eles preferiam que a região fosse anexada de vez aos EUA, através da neocolonial Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

sábado, 23 de junho de 2012

Dilma deve romper com os golpistas



Por Altamiro Borges


A presidenta Dilma Rousseff, que foi presa e barbaramente torturada, parece indignada com a arbitrária destituição do presidente Fernando Lugo. No encerramento da Rio+20, na tarde de hoje (22), ela deixou explicito a sua revolta. Numa rápida entrevista, Dilma sinalizou que os golpistas do Paraguai poderão sofrer sanções das nações sul-americanas. “Disso [o golpe] sai uma consequência”.

“Nós passamos por um processo muito doloroso de golpe e passamos por um processo de retomada da democracia. Dar valor a ela [a democracia] é algo muito importante”, disse a presidenta. Questionada sobre a possibilidade do Brasil, junto com os demais países membros da Unasul e do Mercosul, romper relações com o governo golpista do país vizinho, ela não descartou a hipótese: “Posso dizer o que está previsto no protocolo, que é a não participação nos órgãos multilaterais”.
Excitação da direita sul-americana
Há consenso no Itamaraty que o Paraguai foi vítima de um golpe. A diplomacia brasileira critica o processo de condenação sumária, em poucas horas e sem o legítimo direito de defesa, de Fernando Lugo. A mesma opinião é compartilhada pela maioria dos governantes da América do Sul – com exceção do neofascista Sebástian Piñera, do Chile. A Unasul inclusive divulgou uma nota oficial condenando o golpe e prevendo possíveis retaliações aos golpistas.
O golpe no Paraguai abre um perigoso precedente na América do Sul, como já alertou o presidente Rafael Correa, do Equador. A direita sul-americana – que expressa os interesses dos ricaços do campo e da cidade e também do império estadunidense, e utiliza a mídia corporativa para difundir suas mentiras – está excitada com o aparente êxito dos golpistas.
É preciso dar um breque nesta perigosa iniciativa. A presidente Dilma Rousseff, pelo papel estratégico que o Brasil desempenha na região, deve mesmo “tirar as consequências” deste repugnante golpe. Com base nos protocolos da Unasul e do Mercosul, tendo como objetivo a defesa da democracia e da integração regional, o governo brasileiro deveria, de fato, propor o rompimento com os golpistas do Paraguai. Esta é a única linguagem que as elites reacionárias entendem!

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Golpe de Estado no Paraguai é afronta aos países democráticos da América Latina



Em menos de 30 horas, o Parlamento paraguaio conseguiu derrubar o presidente da República, FernandoLugo, e empossar o vice-presidente, Frederico Franco, principal opositor ao mandatário deposto. Nenhum ministro da Suprema Corte se pronunciou acerca do golpe de Estado em curso. Nenhum setor militar se rebelou contra o retrocesso democrático. Pela expressão de surpresa do líder impedido, nenhum informe dos setores de inteligência daquele país o informaram que 99% do Congresso o estavam prestes a lhe puxar o tapete.

A desestabilização de Lugo, iniciada desde a eleição dele mas intensificada há uma semana, por um massacre de sem-terra nos rincões do país, perto da fronteira com o Brasil, não serviu de alerta ao presidente para mobilizar a sociedade organizada e as instituições. Sequer comentou com aliados de primeira hora como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, amigo pessoal, da situação tensa em que vivia. Lugo, ao que tudo indica, foi tragado em um bem engendrado plano para afastá-lo, aproveitando-se de uma posição aparentemente isolada, distante das bases que sustentaram sua vitória nas urnas.

Um país dividido entre dois partidos, ambos de direita, mostra à América Latina o quanto é frágil a democracia no continente. A reação popular dos paraguaios, de espanto, primeiramente, não pode ser avaliada ainda, mas deixa para os próximos dias um suspense no ar, que torna irrespirável a atmosfera de frustração e incredulidade que ora inunda o país vizinho. A aparente tranquilidade do inquilino, despejado do Palacio de los López por interesses aos quais não respondeu, durante seus quase três anos por lá, deve-se ao adestramento nas décadas de serviços prestados à Igreja Católica, de onde saiu como bispo. Apesar do olhar fixo no horizonte, porém, apontou em seu discurso que as forças do narcotráfico e do grande capital foram os principais algozes do seu fracasso. Fracasso ao qual parece ter respondido muito prontamente. Sem luta. Sem resistência.

Lugo, de saúde tão frágil quanto a sua capacidade de levantar os movimentos sociais em defesa das conquistas democráticas, diz que sai pela porta principal dos corações paraguaios. Mas sai. Não cogitou, sequer um minuto, mobilizar a nação para assegurar uma trincheira que não apenas ele representava, mas às forças populares submetidas a mais de seis décadas de abusos por parte da elite. A mesma elite, branca e rica, que festeja aos abraços, nos acordes do hino nacional, protegida pela polícia que a defende e mantém a salvo da fúria popular, concentrada a poucos metros dali, na Plaza de Armas.

Um golpe de Estado assim, às claras, não pode ficar sem resposta dos países que respeitam a vontade legítima das urnas e sabem que a ameaça ora concretizada naquele pequeno país sul-americano pesa sobre os governos eleitos democraticamente. Exige uma resposta dura. Eficaz. É evidente que os Estados Unidos estarão na primeira fila de cumprimentos à nova administração, ao lado de seus asseclas. As tais ‘forças ocultas’, que andam soltas ao Sul do Equador, conseguiram cravar a baioneta – disfarçada de maioria parlamentar – em uma nação estratégica para seus interesses na região. Mas precisam saber que não será fácil mantê-la. Têm que aprender, de uma vez por todas, a se curvar diante a soberania dos eleitores, e não à vontade dos dólares e do latifúndio.

A União das Nações Sul Americanos (Unasul) terá que dizer, agora, ao que veio. Ao que se propõe. Se a um clube de ótimos convescotes ou a organização dos países dispostos a enfrentar os desmandos da minoria vendida aos interesses inconfessáveis do imperialismo.

Ou repudia o golpe, ou vira geléia.

Gilberto de Souza é editor-chefe do Correio do Brasil.

Golpe no Paraguai é confirmado


Por Altamiro Borges 
O Senado do Paraguai, controlado por forças de direita, acaba de aprovar o impeachment do presidente Fernando Lugo. O golpe de Estado, mascarado de “saída institucional”, teve o voto favorável de 39 senadores – quatro votaram contra a destituição e dois se abstiveram. O vice-presidente Federico Franco, que há muito investia na desestabilização do governo, deverá assumir o cargo.

O julgamento sumário do presidente democraticamente eleito teve início às 13h30 (pelo horário de Brasília) e durou apenas cinco horas. Os advogados de Fernando Lugo tiveram menos de duas horas para apresentar a defesa. Na verdade, a decisão golpista já havia sido tomada bem antes – com o apoio das reacionárias elites urbanas e rurais e da mídia empresarial do Paraguai.
Condenação sumária
Lugo foi acusado por “mau desempenho” de suas funções e pelo recente conflito agrário no país, em Curuguaty, que resultou na morte de 11 camponeses e seis policiais. Lugo chegou a apresentar uma ação de inconstitucionalidade à Suprema Corte de Justiça para suspender o julgamento político. Conforme denunciou o advogado do presidente, Emílio Camacho, “o que está acontecendo aqui não é um julgamento, é uma condenação. É a execução de uma sentença”.

Em entrevista à Rádio 10, da Argentina, Lugo criticou a decisão e disse que estimulará a resistência, “a partir de outras instâncias organizacionais... Certamente decidiremos impor uma resistência para que o âmbito democrático e participativo do Paraguai vá se consolidando”, afirmou. Para ele, o que ocorreu hoje no Senado “não é mais um golpe de Estado contra o presidente, é um golpe parlamentar disfarçado de julgamento legal, que serve de instrumento para um impeachment sem razões válidas que o justifiquem”.

Reação da Unasul
Em frente ao Congresso Nacional, em Assunção, milhares de pessoas se concentraram para condenar o golpe. Houve protestos também em frente à residência do golpista Federico Franco. Organizações populares prometem intensificar as manifestações nos próximos dias, exigindo o retorno da democracia.

Pouco antes da condenação sumária, a União das Nações Latino-americanas (Unasul) divulgou nota oficial afirmando que a destituição de Fernando Lugo constitui “uma ameaça à ordem democrática” e anunciou que os países membros poderão romper as relações de cooperação com o Paraguai. A estatal petrolífera venezuelana, PDVSA, antecipou que poderá cancelar os repasses de combustível feitos à Petropar.

O golpe no Paraguai abre um perigoso precedente na América do Sul. Fernando Lugo foi eleito presidente em 2008 com 41% dos votos, interrompendo uma hegemonia de seis décadas do Partido Colorado e o domínio do país por forças direitistas da elite. Com todas as dificuldades do seu governo, sempre boicotado pelo parlamento, o “bispo dos pobres” representava a esperança de mudança para o sofrido povo paraguaio. O golpe visa conter a guinada progressista no continente.

Golpe de estado no Paraguai: Golpe sumário travestido de ato legal


É surpreendente, mas nem tanto, a decisão do Congresso paraguaio em realizar um processo de impedimento contra o presidente Fernando Lugo. No final de 2009 já surgiram fortes rumores de que o Legislativo tentaria tirar Lugo do poder por meio de instrumentos legais para colocar em seu lugar o vice-presidente, Federico Franco, do PLRA (Partido Liberal Radical Autentico).

Naquela época, já se esboçava a hipótese entre políticos do Partido Colorado (conservador) e do PLRA, supostamente aliado ao governo, em destituir Lugo de forma muito similar à que ocorreu nesta quinta-feira 21. Os próprios parlamentares impetraram processo contra o presidente que seria destituído, então, por meios constitucionais. A justificativa maior para depor o Presidente paraguaio era que o país deveria ser mais atraente aos investidores estrangeiros.

Pois bem, de acordo com dados da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal), desde quando Lugo assumiu os investimentos estrangeiros líquidos praticamente triplicaram. Para se ter uma ideia, em 2007, quando o partido Colorado comandava a política e a economia paraguaia, as inversões líquidas internacionais chegaram a US$ 199 milhões. Com Lugo, já em 2009, esse número saltou para US$ 225 milhões; em 2010, para US$ 389 milhões; e, em 2011, para US$ 566 milhões. Portanto, na época e atualmente, a justificativa da oposição era facilmente combatida.

Agora, Lugo é acusado de má gestão do país, em especial em relação a um confronto entre policiais e trabalhadores rurais em uma fazenda no último dia 15, que terminou com 17 mortos. Ainda assim, continuam pesando contra Lugo o argumento de que a economia vai mal.

Pois, então, avaliemos alguns dados econômicos paraguaios. Realizando-se uma comparação entre os anos de 2010 e 2011, observa-se um aumento médio nos salários de 8,7%, sendo os setores de comércio (11,5%) e intermediação financeira (10,5%) que obtiveram as maiores elevações. O salário mínimo paraguaio aumentou 2,7% e corresponde a pouco mais de R$ 660,00. No que diz respeito à inflação, ocorreu uma redução de 7,2% em 2010, para 4,9% em 2011. Após apresentar o maior crescimento da América Latina em 2010 (15%), no ano seguinte o PIB (somatória de todas as riquezas de um país) paraguaio elevou-se em 3,8%, representando um incremento de 2,3% do PIB per capita.

Esse resultado reflete, por um lado, o contínuo dinamismo do setor agrícola e, por outro lado, o baixo desenvolvimento, de setores como a pecuária e construção civil. No mesmo período, observou-se uma elevação das despesas públicas e, ao mesmo tempo, a elevação das receitas do governo, o que contribui para um superávit primário das contas do governo de 0,8% do PIB. As exportações, em uma comparação entre 2010 e 2011, registaram crescimento de 23,1%, enquanto a alta das importações foi de 21,5%. O déficit em conta corrente caiu para 2,1% do PIB, representando uma melhora em relação ao ano de 2010, quando foi de 6,1%. Portanto, não há nenhum problema de má administração, ou que lhe desabone que justifique o seu impedimento em permanecer como presidente.

A questão central é que, primeiro; a maioria dos deputados que desejam o impedimento de Lugo são proprietários de grandes latifúndios e a situação da oligarquia paraguaia se tornou insustentável quando o presidente colocou em debate questões tão sensíveis como a reforma agrária. Além do que, esse movimento dos partidos Colorado e Liberal Radical Autêntico (responsáveis pelo processo de impeachment na Câmara de Deputados e no Senado) foi planejado para atrapalhar as eleições presidenciais de 2013.

O que está representado e configurado é um golpe sumário travestido de ato legal. A política é para ser debatida, discutida, dialogada, algo que o Congresso paraguaio, infelizmente, não está disposto a fazer. Espera-se que as forças políticas internacionais e nacionais mantenham Fernando Lugo na Presidência e que as divergências políticas resolvam-se de forma direta pela vontade popular nas eleições que já estavam programadas, em março de 2013, muito antes dessa crise ter atingido seu ápice.

Cebrapaz repudia tentativa de Golpe de Estado no Paraguai

O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos em Luta pela Paz, Cebrapaz, emitiu, nesta sexta-feira (21), uma nota de apoio ao povo paraguaio, que vê seu presidente, Fernando Lugo, legitimamente eleito em 2008, ser vítima de um golpe de Estado parlamentar. Segue a íntegra do documento:

O Cebrapaz repudia veementemente e condena qualquer tentativa de Golpe de Estado no Paraguai.
Denunciamos que a manobra de convocar um processo de impeachment do Presidente Fernando Lugo, aproveitando-se da comoção gerada pelo massacre em um processo de desocupação de uma fazenda Curuguaty, é um desrespeito à democracia do país e uma atitude que remete aos anos de chumbo das décadas de 1960 e 1970, quando a América Latina foi coberta por ditaduras financiadas pelo imperialismo dos EUA.

 Em todos os países da região onde foram eleitos governos progressistas houve tentativas de golpe: na Venezuela, na Bolívia, no Equador e agora no Paraguai. Deter mais este movimento das forças conservadoras do continente é conter também o avanço do imperialismo na região, que após articular um golpe com características similares em Honduras, volta-se agora para a América do Sul. É importante destacar que o imperialismo tem interesses claros no país, especialmente na tríplice fronteira com o Brasil e a Argentina.

Solidarizamos, dessa forma, com o povo paraguaio e nos somamos às vozes que condenam este vil ato de rompimento da ordem institucional do país através de um Golpe de Estado.

Em defesa da ordem democrática e institucional do Paraguai!

Pelo cumprimento integral do mandato do presidente Fernando Lugo!

Contra qualquer tentativa de Golpe de Estado!

Pela paz na região!

Socorro Gomes,
Presidente do Cebrapaz

O primeiro teste da Unasul


Inexiste qualquer dúvida de que está em curso no Paraguai uma tentativa de golpe “constitucional” nos moldes do que foi aplicado em Honduras há alguns anos, quando o presidente foi deposto em um rito sumário que durou poucas horas e sem direito a defesa.

No Paraguai, o golpe “constitucional” tenta se revestir de alguma aparência de legalidade, mas peca pelo que marca esse tipo de processo: o açodamento, a pressa em concluir logo a deposição do governo a fim de evitar reações da comunidade internacional.

Para que se tenha idéia do absurdo do golpe que está sendo perpetrado no Paraguai sob desculpa de confronto entre o exército e sem-terras por responsabilidade do presidente Fernando Lugo, isso equivale a tentarem derrubar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelo massacre de Eldorado dos Carajás, em 1996.

Mais absurdo ainda é o fato de que o governo Lugo defende a reforma agrária, tendo sido o confronto um choque entre forças igualmente armadas, segundo alega o exército paraguaio.

Diante disso, os países membros da União de Nações Sul-Americanas – Unasul, cumprindo o protocolo de intenções firmado em 2008 por Argentina, Bolivia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela, despacharam seus chanceleres para Assunção também em tempo recorde, o que revela que a Organização possui, ao menos, uma visão política unificada e um conselho deliberativo ágil.

A rápida ação da Unasul decorre do Protocolo sobre Compromisso com a Democracia firmado em 2010 na cidade de Georgetown, na Guiana. O protocolo reza que os estados-membros da Unasul não tolerarão desafio à autoridade institucional ou tentativas de golpe ao poder civil legitimamente constituído.

A boa notícia para o governo do Paraguai é que os membros da Unasul firmaram acordo que os obrigará a adotar medidas concretas e imediatas em caso de violação da ordem constitucional em qualquer país integrante da aliança.

Entre as sanções políticas e diplomáticas previstas pelo protocolo da Unasul, destacam-se suspensão do país sob ameaça de golpe do direito de participar nos diferentes órgãos e instâncias da Unasul, fechamento parcial ou total das fronteiras terrestres com o Estado afetado, incluindo a suspensão ou limitação do comércio, transporte aéreo e marítimo, comunicações, fornecimento de energia, serviços e abastecimento.
Todavia, não é tudo. Em caso de confronto entre forças legalistas e golpistas, ao menos em tese poderia ser acionado o Conselho de Defesa Sul-Americano, proposto por Venezuela e Brasil para servir como um mecanismo de segurança regional sobretudo contra golpes de Estado.

O Paraguai vem de uma longa história de golpismo. O último golpe de Estado ocorreu em 1999. E, como se viu no caso do golpe de Estado em Honduras, Estados Unidos e a imprensa latino-americana certamente ajudarão os golpistas paraguaios.
O noticiário da Globo, por exemplo, dissimula fatos sobre a tentativa de golpe não deixando claro que estão querendo derrubar um governo em horas, sob verdadeira encenação no Congresso, quando um processo de impeachment costuma levar meses.

A ameaça à democracia latino-americana contida na tentativa de golpe no Paraguai já se faz notar aqui no Brasil. O deputado baiano José Carlos Aleluia, vice-presidente do DEM nacional, comemorou o golpismo paraguaio no Twitter ao insinuar que pode se reproduzir por aqui.

Nos próximos dias, portanto, a Unasul enfrentará seu primeiro e decisivo teste. Se fracassar em frear o golpismo à paraguaia, estimulará golpistas de toda a região a se assanharem. Se for bem sucedida, os ímpetos antidemocráticos na região sofrerão duro golpe.

Fernando Lugo anuncia que vai entrar na Justiça contra "golpe" no Paraguai



O Presidente do Paraguai, Fernando Lugo, vai apresentar nesta sexta-feira (22/06) ação de inconstitucionalidade contra o processo de impeachment aberto pelo Legislativo à Suprema Corte paraguaia, informou a Agência Efe.

Lugo declarou à rede televisiva Telesur que a decisão dos legisladores paraguaios foi inconstitucional uma vez que não respeitou os devidos procedimentos legais e acrescentou que está sendo vítima de um “golpe de Estado expresso”.

Unasul 


Os presidentes dos países membros da Unasul (União das Nações Sul-americanas) decidiram enviar seus chanceleres à capital do Paraguai, Assunção, para acompanhar a crise política no país. A reunião de emergência da Unasul foi realizada na tarde de hoje no Rio de Janeiro, em meio à Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, que estará na comitiva de chanceleres, disse que os presidentes da Unasul defenderam a manutenção da “estabilidade e o pleno respeito à ordem democrática do Paraguai”, mas evitou usar a expressão “golpe de Estado” para se referir ao levante no Parlamento do país.

Já o presidente da Bolívia, Evo Morales, foi mais direto e convocou “os povos indígenas e movimentos sociais da América Latina” a se levantarem para defender a democracia no país vizinho. "Este golpe que está se formando no Paraguai contra um presidente democraticamente eleito e apoiado pela maioria de seu povo é um crime contra a consciência das pessoas e dos governos que agora conduzem mudanças profundas em seus países de forma pacífica", disse Morales.

O presidente do Equador, Rafael Correa, qualificou como "gravíssima" a decisão do Parlamento paraguaio e disse que, embora o processo de impeachment possa ter previsão jurídica, "há coisas que são legais mas não são legítimas".

Racha político

A abertura do processo ainda precisa ser aprovada pelo Senado paraguaio, que assim como a Câmara dos Deputados, é dominado pela oposição do conservador partido Colorado.

A aprovação do processo de impeachment teve o apoio decisivo do Partido Liberal, que integrava o governo. Ao jornal La Nacion, o ministro de Indústria e Comercio, Francisco Rivas disse que a decisão de seu partido foi “um retrocesso muito grande”. Com a defecção dos liberais, Riva deixou o cargo. “Não quero dizer que meu partido se equivocou ou não ao apoiar o julgamento político. Há que sentar e conversar para resolver os problemas”, disse.

Em sua declaração oficial (veja íntegra abaixo), Fernando Lugo disse que sua primeira disposição é “resguardar a vontade expressa nas urnas e evitar que uma vez mais na história da República um feito político roube o privilégio e a soberania da suprema decisão do povo”.

Lugo pediu ao Parlamento que respeite regras e prazos constitucionais, que lhe garantam o direito de uma “justa e legítima defesa”.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

PT tenta suicídio em São Paulo



O desastre eleitoral que se abateu sobre o PT paulistano não poderia ser mais grave se a mídia e o PSDB o tivessem planejado. Por isso, a candidatura de Fernando Haddad sofreu um ferimento mortal do qual poderá até se recuperar, mas não será fácil.
A aliança entre o PP e o PT paulistanos, por si só, era difícil de aceitar. Mas a foto de Lula, Paulo Maluf e Haddad confraternizando entre si tornou intragável o que já era difícil de engolir. Além disso, a imagem será usada pelos adversários de Lula até o dia em que ele permanecer na política.
Dirão que a culpa é toda de Lula porque foi dele a decisão de fazer a aliança maldita “com Maluf”. Todavia, não é verdade. Apesar da falta de percepção do ex-presidente sobre a política paulistana Erundina poderia ter resistido, pois sabia da aliança.
Desistir da chapa de Haddad não isentou a ex-prefeita. Ela atribui tudo à foto, mas se aceitou a aliança contanto que não houvesse foto sugere que se tivesse sido feito tudo às escondidas não se importaria de estar ao lado de Maluf. A emenda saiu pior do que o soneto.
Se Erundina não tivesse renunciado haveria muito burburinho, mas, em alguns dias, tudo teria sumido. Contudo, como ela parece não ter convicções de seus atos deixou-se intimidar por uma militância embriagada, incapaz de enxergar prioridades.
Sim, a aliança com o PP de São Paulo é repugnante porque quem manda no partido, aqui, é Maluf. Em nível federal o partido não é dele, mas, em São Paulo, é. Todavia, a militância entregar o jogo por uma foto é condenar a cidade a continuar piorando.
Sem um bom prefeito, São Paulo continuará piorando. Caso Serra vença, o rumo em que a cidade está será mantido porque é ele quem a governa desde 2004. Se o eleito for Russomano,  Chalita ou Soninha talvez seja até pior, pois nenhum deles é administrador como o tucano ou Haddad.
A militância não quis saber. Agiu como manada. Insuflada por militantes tucanos travestidos de “petistas arrependidos”, começou a propagar slogans contra Erundina até que ela se deixasse intimidar e materializasse o desastre.
Claro que o erro maior foi de Lula. Subestimou a passionalidade da militância e superestimou Erundina e a si mesmo. Além disso, adotou uma postura autocrática ao empurrar Maluf pela goela de todos. Mas ele tem desculpa. Está voltando do inferno.
Não foi por falta de aviso, porém, que essa hecatombe ocorreu. Antes de qualquer um, ainda na sexta-feira passada publiquei post contendo denúncia contra Maluf. No sábado, elenquei as razões pelas quais aquela aliança maldita seria ruim. Mas não fiz escarcéu.
Todos poderiam ter marcado posição sobre a inconveniência da aliança, mas não era preciso fuzilar Erundina até que seu lado titubeante aflorasse.
Agora, se a candidatura Haddad não resistir, São Paulo pode vir a ter um prefeito pior do que Kassab  caso Serra não se eleja – ele ainda seria menos ruim do que seu pupilo. Seria pior, pois, um Russomano vencer. Ou, no limite do impensável, uma Soninha.
Todavia, há um fio de esperança. Conhecendo o povo de São Paulo, é mais do que certo que expressiva parcela da população não considera que se aliar a Maluf é se aliar ao demônio. Muito pelo contrário. O prejuízo real, portanto, pode ter sido pequeno ou até zero.
A menos, é claro, que a militância petista continue dando uma banana para São Paulo e fazendo jogo de cena sobre a aliança com o PP paulistano…
Por outro lado, talvez tenha sido bom Erundina não ser vice de Haddad. Ela seria um foco permanente de crises ao se deixar guiar pela mídia ou pelas redes sociais da internet. Ninguém consegue governar ouvindo só a opinião pública.
Por outro lado, bom seria se o comando da campanha de Haddad não continuasse repetindo as burradas da campanha de Marta Suplicy em 2008, que, como agora, decidiu jogar sua história no lixo usando as mesmas armas que os adversários – ou seja, o preconceito.
Usar o preconceito contra Kassab em 2008 ou se aliar ao restolho da política brasileira em 2012 são faces da mesma moeda, a moeda da ânsia de obter a vitória a qualquer preço. E o que é pior: apelando para “atalhos” que não se tem segurança sobre aonde vão dar.
Há um só caminho para Haddad vencer a eleição: há que fazer o povo pensar em sua vida e convencê-lo de que sabe como melhorá-la. Jogadas políticas espertalhonas são o campo em que a direita midiática joga. Não dá para vencê-la nesse campo.
—–
O Blog ficou 24 horas fora do ar para migração do servidor. Era para ser meia dúzia de horas, mas tudo deu errado. E o pior: o servidor novo não funcionou e tive que voltar pro antigo – mas vou resolver isso. Contudo, tomara que esta semana termine logo.

sábado, 26 de maio de 2012

O desespero da revistas Veja

O ex-ministro da Defesa Nelson Jobim negou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha pressionado o ministro Gilmar Mendes, do STF, a adiar o julgamento do mensalão, usando como moeda de troca blindagem na CPI do Cachoeira. "O quê? De forma nenhuma, não se falou nada disso", respondeu Jobim, ao Estado de S.Paulo, ao saber do relato de Gilmar Mendes à revista Veja.

A reportagem da Veja, publicada neste sábado, relata um encontro de Lula com Gilmar no escritório de advocacia de Jobim, em Brasília, no qual o ex-presidente teria dito que o julgamento em 2012 é "inconveniente" e oferecido ao ministro proteção na CPI, de maioria governista.

Gilmar tem relações estreitas com o senador Demóstenes Torres (sem partido, GO), com quem teve um polêmico encontro em Berlim. O senador é acusado de envolvimento com a quadrilha do bicheiro Carlinhos Cachoeira.

"O Lula fez uma visita para mim, o Gilmar estava lá. Não houve conversa sobre o mensalão", negou Jobim, que disse que, na conversa em questão, foram tratadas apenas questões "genéricas", "institucionais". Ele também assegurou que em nenhum momento Gilmar e o ex-presidente estiveram sozinhos ou falaram na cozinha do escritório, como relatou a Veja. "Tomamos um café na minha sala. O tempo todo foi dentro da minha sala, o Lula saiu antes. Durante todo o tempo nós ficamos juntos", assegurou. Questionado se o ministro do STF mentiu sobre a conversa, Jobim desconversou: "Não poderia emitir juízo sobre o que o Gilmar fez ou deixou de fazer".

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Minas Gerias: Comissão de direitos Humanos rompe Operação Abafa e aprova requerimento


A Comissão de Direitos Humanos conseguiu nesta segunda, 14/5, romper a “operação abafa” montada pela base do governo para impedir a votação de qualquer matéria do interesse da oposição. Graças às presenças dos deputados Rogério Correia, Sargento Rodrigues, Paulo Lamac e do presidente Durval Ângelo, 15 requerimentos de autoria do Deputado Rogério Correia foram aprovados na Comissão.

“Operação abafa” do PSDB busca blindar governo

Desde o início do ano, a base do governo na Assembleia Legislativa vem impedindo os deputados da oposição de aprovar qualquer requerimento que questione ou requeira informações do Governo.

O clima se tornou tão tenso que a Comissão de Direitos Humanos tentou, em vão, aprovar os requerimentos em reunião que se estendeu de 21h de sexta-feira (20/4) até às 3h de sábado (21/4).

Na segunda (23/4), os deputados da oposição se reuniram novamente para tentar aprovar as solicitações, e mais uma vez, a base do governo impediu a aprovação das matérias que colocavam em cheque o “choque de gestão” do governo.

Hoje pela manhã, os deputados da oposição finalmente conseguiram aprovar 25 requerimentos na Comissão de Direitos Humanos.

Dentre as matérias aprovadas de autoria do Deputado Sargento Rodrigues (PDT) está a que solicita providências em relação às denúncias de jogos de caça níquel e contravenção penal em Juiz de Fora. O Deputado chegou a solicitar uma CPI que alcançou 40 assinaturas e depois foi inviabilizada pela retirada de assinaturas dos membros da base do governo.

Rogério destaca a reunião realizada hoje pela Comissão de Direitos Humanos como uma vitória. O rompimento da “operação abafa” possibilitará que,através de audiências públicas, se discutam os problemas no Governo.

Matérias Aprovadas

Dentre os requerimentos aprovados, Rogério aprovou solicitações para debater a situação e o destino das 350 famílias sem-teto despejadas da Ocupação Eliana Silva, no Barreiro, em Belo Horizonte; debater os gastos do Governo de Minas Gerais em publicidades na Rádio Arco-Íris Ltda, de propriedade do Senador Aécio Neves e da Sra. Andréa Neves; audiência pública para debater sobre os valores recebidos pelos Conselheiros das Empresas Públicas do Estado de Minas Gerais, dentre elas a Copasa, Cemig, Codemig, Cohab, Gasmig e Copanor; debater e buscar esclarecimentos sobre o déficit de servidores da Polícia Civil do Estado de Minas Gerais; audiência pública para debater as denúncias de sobrepreço, direcionamento de licitações, dispensa de licitações e outras irregularidades, supostamente cometidas pela Fundação Ezequiel Dias – Funed; para debater e obter esclarecimentos se o Estado de Minas Gerais tomou medidas necessárias para garantir moradia adequada e segurança para moradores de baixa renda no período chuvoso; apurar denúncia de fraude no processo de concessão do estacionamento do Centro de Especialidades Médicas; debater a alteração nas regras de pagamento da energia fornecida para distribuição de água na região da Sudene, que antes era arcada pelas prefeituras municipais e agora foi transferida para as associações comunitárias dos municípios e uma reunião para discussão do Termo de Ajustamento de Gestão (TAG) celebrado entre o Tribunal de Contas e o Governador do Estado, que prevê a adequação gradual da aplicação, por parte do Governo do Estado de Minas Gerais, dos recursos nas áreas de ações e serviços públicos de saúde e da manutenção e desenvolvimento do ensino.

Veja na íntegra todos os requerimentos aprovados pelo Deputado Rogério Correia:http://www.rogeriocorreia.com.br/noticia/requerimentos-aprovados-pelo-deputado-rogerio-correia-nesta-segunda-145/

(Fonte: Assessoria de Imprensa do Deputado Rogério Correia)

domingo, 6 de maio de 2012

Record desmascara a Veja

Não há mal que nunca termine e a Veja finalmente está sendo desmascarada.
A blogsfera já sabe que a pricipal revista do país é um lixo, jornalismo de esgoto e que nada tem a ver com o bem público. Agora o povo comum também começa a ter noção daquilo que tanto denunciamos.

Começa a ficar claro que Veja fabrica notícias de acordo com sua conveniência, para ajudar a sí ou a seus amigos e claro, a destruir seus inimigos.

Acompanhe a reportagem da TV Record, que deixa nú Bob Civita, o dono da publicação, e tire suas próprias conclusões.


Dilma parabeniza François Hollande por vitória nas eleições presidenciais francesas


A presidenta Dilma Rousseff enviou na noite deste domingo (06) mensagem com os cumprimentos ao presidente eleito da França, François Hollande. Leia abaixo a íntegra da nota:
Excelentíssimo Senhor
François Hollande
Presidente Eleito da República Francesa
Prezado Presidente,
Quero transmitir-lhe meus mais efusivos cumprimentos por sua eleição para a presidência da França.
Acompanhei com grande interesse suas propostas de vencer a crise que enfrenta a Europa com responsabilidade macroeconômica, mas, sobretudo, com políticas que favoreçam o crescimento, o emprego, a inclusão e a justiça social. Estou segura que poderemos compartilhar posições comuns nos foros internacionais – dentre eles o G20 – que permitam inverter as políticas recessivas, ainda hoje predominantes, e que, no passado, infelicitaram o Brasil e a maioria dos países da América Latina.
França e Brasil estão unidos por ambiciosos projetos bilaterais, como conseqüência da aliança estratégica que estabelecemos. Estou segura que daremos continuidade a essa cooperação nos próximos anos.
Reiterando minha saudação por sua vitória, espero poder tê-lo entre nós, aqui no Brasil, em junho próximo, na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.
Receba, prezado Presidente, meu apreço e simpatia,
Cordialmente,
Dilma Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil

François Hollande é o novo presidente da França


Após uma votação acirrada, François Hollande é eleito o novo presidente da França, com 51,6% dos votos. O candidato socialista disputava o cargo com o atual presidente do País, Nicolas Sarkozy, que obteve 48,4% nas urnas.

A taxa de abstenção foi de 18,86%, abaixo dos 20,52% do primeiro turno, e mais de dois milhões votaram em branco ou nulo.

Em seu primeiro discurso como presidente eleito, Hollande afirmou que a "austeridade não deve ser uma fatalidade" entre os diversos governos de uma Europa em crise. O pronunciamento foi feito antes mesmo do final da apuração das urnas.


— Hoje mesmo, responsável pelo futuro do nosso País, estou ciente de que toda a Europa nos observa. Na hora em que o resultado foi anunciado, tive a certeza que em diversos países europeus houve um sentimento de alívio e de esperança, de que, por fim, a austeridade não deve ser mais uma fatalidade. Neste 6 de maio, os franceses escolheram a mudança para me levar à presidência da República e estou orgulhoso por ter sido capaz de devolver esta esperança. Prometo ser o presidente de todos.

Logo após o término da votação, por volta das 20h (horário local), Sarkozy reconheceu a derrota e chamou Hollande de "novo presidente", afirmando que o "povo francês elegeu de forma democrática e republicana".

O atual chefe de Estado assumiu "toda a responsabilidade pela derrota" e comunicou a seus partidários que não liderará a luta para as eleições legislativas, previstas para 10 e 17 de junho.

— Não se dividam, permaneçam unidos. É preciso vencer a batalha das legislativas. Podemos ganhar. O resultado [deste domingo] foi honroso. Mas não vou liderar esta campanha. Minha posição não pode ser a mesma. Meu compromisso com a vida do meu País será diferente agora.

Hollande anunciou que renegociará o pacto fiscal europeu de ajustes e austeridade, elaborado por Sarkozy e pela alemã Angela Merkel, como parte de uma aliança batizada por ele de 'Merkozy', visando o acréscimo de um capítulo de apoio ao crescimento.

Segundo o diretor de campanha de Hollande, Pierre Moscovici, a chanceler alemã telefonou para felicitar Hollande por sua vitória e convidá-lo a visitar Berlim, revelou o governo alemão.

— Merkel ligou para cumprimentá-lo pela vitória e ambos acertaram um primeiro encontro e trabalhar juntos para fortalecer a relação franco-alemã em prol da Europa.

O primeiro-ministro conservador britânico, David Cameron, também telefonou a Hollande para cumprimentá-lo pela vitória e os dois se disseram "impacientes para trabalhar muito estreitamente e para construir uma relação muito próxima, que já existe entre Grã-Bretanha e França", destacou Downing Street.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, felicitou "calorosamente" Hollande por sua eleição e disse que "claramente temos um objetivo comum: relançar a economia europeia para gerar um crescimento duradouro".

Hollande venceu com o apoio incondicional do candidato da esquerda radical, Jean-Luc Mélenchon (11,10% dos votos no primeiro turno), da ambientalista Eva Joly (2,31%) e do centrista François Bayrou (9,13%), mas a dirigente da Frente Nacional (FN, extrema direita), Marine Le Pen (quase 18%), defendeu o voto em branco, apesar de criticar Sarkozy com virulência.

A campanha na França, como as demais, foi marcada pela crise financeira que castiga duramente países como Espanha, Grécia, Itália e Portugal, e por questões como imigração e segurança nas fronteiras, com claro avanço da extrema direita.

sábado, 28 de abril de 2012

VEJA: Sob Pressão da Nova Opinião Pública


A editora Abril e sua principal publicação, a Revista Veja, estão sob intenso bombardeio das redes sociais. No Twitter, ativistas se mobilizam para levantar às seis da tarde a tag #vejagolpista, em decorrência das escutas envolvendo Carlinhos Cachoeira, o editor Policarpo Jr. e o famoso grampo no Hotel Naoum, em Brasília, onde José Dirceu foi flagrado em reuniões políticas.


Às 16h30, uma hora e meia antes já se tinha uma prévia:







Coincidentemente hoje, a Revista Veja é citada como exemplo pela jornalista Elaine Tavares, em entrevista ao Brasil de Fato. Elaine acaba de publicar o livro: Em busca da Utopia – os caminhos da reportagem no Brasil, dos anos 50 aos anos 90 (Florianópolis: Edição pelo Instituto de Estudos Latino-americano-Americanos, 2012). Leia o que Elaine diz:

"A Veja é um caso de autofagia (de uma empresa) em nome de um modelo de mundo. Explico. Ela nasce nos anos 1970 dentro da mesma editora que fazia a Realidade, que era uma beleza de revista, com reportagens incríveis. E ela vem para implantar no Brasil um estilo de jornalismo que assomava nos Estados Unidos. Essa coisa insossa de informação sem contexto, e que não é uma ação sem sentido. Ela é parte de um modo de ser e estar no mundo. Escrever como se estivesse informando, mas sem na verdade informar. A Veja entrou no mercado e matou a Realidade, que era o jornalismo de profundidade, que levava ao pensamento, ao questionamento. A mesma empresa mata uma revista boa para que a revista ruim pudesse começar a atuar como a usina ideológica de um modelo que se queria para o Brasil. Foi um projeto utópico (distópico) da classe dominante. Trazer a “modernidade“ e emburrecer as pessoas. Encurtam os textos, tiram o contexto, passam a doutrinar. Já não era mais jornalismo. Basta ver o que é a Veja hoje: uma máquina de propaganda da distopia da direita brasileira. Jornalismo ali é coisa rara. Quando aparece é obra solitária de algum jornalista."

Blog Doladodelá

Sem Civita e Marinho CPI será uma farsa




Saiu na Carta Capital desta semana, na pág. 30, reportagem de Leandro Fortes sobre “O xadrez da CPI”.

A certa altura, a revelação estarrecedora:

“A semanal da Editora (o detrito solido de maré baixa – PHA) conta com o apoio explicito de suas coirmãs de repercussão nacional. O Palácio do Planalto foi informado por um qualificado mensageiro das Organizações Globo (que transforma o detrito sólido de maré baixa em Chanel # 5 – PHA) que, caso o empresario Robert(o) Civita, dono da Abril, seja mesmo convocado para depor na CPI, o Governo terá de enfrentar a furia do baronato (PiG – PHA) dos meios de comunicação, numa guerra sem limites ( ou seja, o Golpe – PHA).”


Navalha

Chegamos à beira do precipício.

Se o Robert(o) for depor o PiG dá o Golpe.

E ainda se diz que isso aqui é uma Democracia !

(Na Argentina, expulsaram o Cesare Civita.)

O Demostenes é gato morto.

O Perillo é gato morto.

Da Delta o PiG (*) fez um gato morto.

Dez Agnellos não valem um José Dirceu.

Quem tem que ir para o banco dos reus são o Robert(o) Civita e os filhos do Roberto Marinho.

Os filhos do Roberto Marinho se reduziram a um “qualificado mensageiro”.

Imagine, amigo navegante, se o Dr Roberto teria um “mensageiro qualificado”.

Se estivesse ameaçado de subir ao banco dos reus, o Dr Roberto já tinha invadido pessoalmente o Palácio do Planalto há muito tempo.

E por que os quatro, juntos, de mãos dadas, o Robert(o) Civita e os tres filhos do Roberto Marinho precisam subir à forca ?

Porque eles são a corda e a caçamba.

O jn não tem produção própria.

A Veja não tem repercussão nacional.

O crime organizado se organiza na Veja e se expande no jornal nacional, na liturgia trevosa de seu Cardeal Ratzinger, o Ali Kamel.

O jn transforma em Chanel # 5 o detrito solido de maré baixa da Veja.

Foi assim na cena da corrupção dos Correios – com que a TV Record melou o mensalão - e no grampo sem audio (que o Luiz Fernando Correa não achou até hoje).

O mensalão – que está por provar-se – e a prisao do Daniel Dantas – “chamar o Presidente às falas”- foram os momentos mais próximos da desmoralização do Governo Lula.

Esta não é a CPI do Demóstenes – que já morreu.

Esta é a CPI da Veja.

Esta é a CPI do PiG (*), do Golpe que a midia nativa põe em marcha, sempre.

Se não for a CPI da Veja (e da Globo), não será.

Arrastará o PT e seus aliados ao deboche.

O PT tem medo da Globo.

O Brizola não tinha.

E contra o Dr Roberto se elegeu duas vezes governador do Rio.

E chamava o PT de UDN de tamancas.

Paulo Henrique Amorim

Resta à Veja fazer de Policarpo o seu bode expiatório


Se existia dúvida quanto à inclusão da revista Veja no rol dos que serão investigados pela CPI do Cachoeira, a partir do vazamento na internet do inquérito que foi enviado ao Congresso pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski, tal duvida virou pó.

Por Eduardo Guimarães

Quem deu o furo foi o controverso site Brasil 247, que tem comprado briga com a Veja, com blogs progressistas, reacionários e que, entre seus colunistas, conta com figuras antagônicas como o petista José Dirceu e o tucano Artur Virgílio.

A importância do furo é tão grande e o conteúdo do inquérito tão explosivo que o Jornal Nacional citou a fonte, de onde eclodiu uma cachoeira de acusações contra o já exangue Demóstenes Torres e o governador Marconi Perillo, que mantém ar impoluto apesar da lama que já lhe chega à cintura.

E é aí que entra a revista Veja, apesar de, por enquanto, continuar de fora dos telejornais. A publicação aparece mal na fita, ou melhor, nas fitas das gravações da Polícia Federal que figuram no inquérito.

Em um dos trechos largamente divulgados na internet, Cachoeira e companhia aparecem decidindo em que seção da revista deverão ser publicadas informações que passaram ao editor Policarpo Jr., informações que a quadrilha pretendia que prejudicassem seus adversários nos “negócios”.

Como se não bastasse, a transcrição das escutas revela que as imagens do ex-ministro José Dirceu se encontrando com membros do governo federal em um hotel de Brasília que Veja publicou, foram fornecidas pelo esquema de Cachoeira.

E essas são só algumas das muitas garimpagens que estão sendo feitas por uma legião de internautas no material divulgado pelo 247, que ainda não inclui os contatos do editor da Veja com a quadrilha apesar de ele e a publicação aparecerem nos diálogos, o que sugere que ainda há material oculto.

Torna-se impossível, assim, que a CPI deixe de convocar, se não o dono da Veja, Roberto Civita, ao menos o seu editor Policarpo Jr. a fim de dar explicações, pois o que já vazou deixa claro que a mera relação fonte-repórter que a revista alega era muito mais do que admite.

Diante da confirmação de maior envolvimento da Veja no escândalo, parece lícito especular que, se a chapa esquentar, Policarpo pode receber uma proposta do patrão: assumir sozinho ônus dessa relação inexplicável que fez de Cachoeira uma espécie de ghost-editor da revista.

Esse tipo de proposta se baseia em pagamento de alta soma e apoio jurídico integral. Como o bode expiatório, supõe-se, não tem passagens pela polícia, torna-se réu primário, ou seja, não vai para a cadeia. E, depois de ultrapassado o desgaste do processo, sai rico dele.

A Veja sairia chamuscada, mas sem responsabilização criminal. É o que está acontecendo na Inglaterra, no caso Murdoch. Ele diz que “não sabia” de nada e empurra a culpa para os funcionários.

Só que não está funcionando. Mas isso é na Inglaterra e estamos no Brasil.


Publicado no Blog da Cidadania

#VEJA GOLPISTA TUITAÇO HOJE 18 HORAS


terça-feira, 24 de abril de 2012

Aécio: Coragem ... de blefar


O textículo aeciano da semana tem como título “Coragem” (FSP, 23/04). É mais um exercício de sociometria de buteco. Aécio pega números de aparelhos celulares (250 milhões!) vendidos no Brasil para fazer apologia das privatizações de FHC.

Na análise rasa, o número divulgado seria um grande indicador que daria conta de duas discussões ideológicas: a primeira demonstraria algum tipo de mobilidade social ascendente, em face do acesso “universal” à telefonia celular (nesse caso representada pela posse de aparelhos - sic); a segunda, seria a demonstração da superioridade da lógica privatizante.

A vida, como ela é, exige mais. O “fenômeno” da venda de mais aparelhos celulares do que a população residente não decorre da exultação com a tecnologia e a sua disponibilidade, mas de falhas e problemas do próprio “modelo”. Seja porque as pessoas adquirem mais de um aparelho para tentar equilibrar as contas altas, usando as “promoções” das operadoras; seja pela oferta delirante desses mesmos aparelhos, que se tornaram commodities, em supostas vantagens oferecidas pelas mesmas operadoras. O número de reclamações nos procons contra operadoras e fabricantes dessas commodities coloca problemas para a sociometria rasa de Aécio. As filas enfrentadas pelos consumidores, na tentativa de reparar equipamentos, que o digam. Isso sem falar nas reclamações de péssimo atendimento e a enrolação nos serviços de gerundismo telefônico ao qual recorremos, para sanar as panes, cobranças a mais e pedir explicações sobre coberturas precárias.

O custo desse serviço para o consumidor é o mais caro do mundo e a qualidade é mediana.

Mas, a rigor, não é disso que trata o artigo de Aécio Neves. Os 250 milhões de aparelhos celulares entram na prosa, apenas para que ele percorra sua via crucis.

Ele tem de saciar a fome de seu partido, que lhe cobra estatura de líder da oposição. Outra “fome” que o senador eleito por Minas Gerais tem de saciar é a da mídia que tenta ocupar o lugar do PSDB, DEM e PPS, enquanto esses partidos resolvem seus dramas de obsolescência. Ai dele quando busca a discrição própria de quem tem telhado de vidro. Os jornalões o caçam impiedosamente.

E sua tragédia se completa, quando faz a apologia de algo que está sob forte questionamento no mundo, que foi o processo de privatizações ocorrido principalmente na década de 1990. Para não pegarmos exemplos da Grécia, Espanha, Irlanda, Inglaterra etc., ficaremos com os trens urbanos no Rio de Janeiro. Privatizados há dez anos, não receberam os investimentos previstos das empresas concessionárias e agora transbordam em graves e estruturais problemas. O mesmo ocorre com várias rodovias concedidas, no “modelo” tucano: sem os aportes privados alardeados só resta aos poderes públicos ou injetar recursos para melhorar suas condições ou pressionar para a “revenda” da concessão a outras empresas. A Light (RJ) é outro exemplo do qual, passada euforia inicial de sua privatização, os prejuízos aos cofres públicos e o péssimo serviço prestado são os indicadores de que algo vai mal no paraíso do neoliberalismo.

O caminho de Aécio é duro. É péssimo exemplo quando se trata de responsabilidade fiscal, de gestão pública (Minas Gerais está quebrada) e de conduta pessoal de alguém que almeja ser presidente da República. Ele foi “poder” no Brasil, por 16 anos. Foi governador por quase oito. Tudo que falar será objeto de contestação factual, com fortes provas empíricas.

Por isso, a única coragem que ele reúne é a de blefar. Enquanto a cachoeira de fracassos de seu neoliberalismo no mundo e no Brasil não se secar, só lhe resta isso: reunir “coragens” para assinar bobagens.

Deputado Rogério Correia ganha direito de resposta contra Jornal Estado de Minas


O Deputado Rogério Correia ganhou direito de resposta, em relação às matérias ofensivas à pessoa, à vida social e à sua atividade política, que foram impressas pelo jornal Estado de Minas, sobre a chamada Lista de Furnas. O Acórdão (decisão) do Tribunal de Justiça de Minas Gerais foi publicado nesta segunda-feira, 23/04/2012, e implica multa diária, caso o citado veículo de imprensa deixe de publicar nos mesmos dias da semana e nas mesmas páginas em que foram divulgadas as matérias ofensivas, a resposta apresentada por Correia.

O jornal Estado de Minas, sob pretexto de repercutir fato jornalístico já superado, na celeuma acerca da autenticidade da “Lista de Furnas” requentou como verdadeiras as versões de que a mesma teria sido montada, sob encomenda do deputado petista. Recusando-se a garantir a versão, fartamente documentada, sobre a autenticidade da “Lista”, o jornal não só imputou a Correia a cumplicidade na fabricação da mesma, como lhe dirigiu palavras ofensivas e insinuações caluniosas.

Eis alguns registros na sentença prolatada pelo TJMG:

Destaca expressões dos textos publicados que, ao seu juízo, contém “injusta imputação de crimes ao agravante, bem como injuriando o e difamando” (f. 11-TJ), que ora passo a transcrever: “desrespeito e desfaçatez”; “ridícula demonstração de desfaçatez na Assembléia”; “desrespeitando aquela Casa e a inteligência do povo mineiro”; “encenação”; “deformada noção de compromisso com a ética e com o interesse público”; “prática de denúncia irresponsável”; “método de ação eleitoral próprio dos despreparados para vida parlamentar e o exercício do poder político”; “despudor de articular sórdida montagem”; “farsa petista”; “montagem de fraude”; “Rogério Correia (PT), patrono da iniciativa”; “O deputado (…) tentou mais uma vez enganar de boa-fé de seus colegas” (f. 06 e 09-TJ).

O recurso à Justiça seria plenamente dispensável se o jornal em foco adotasse o simples direito ao contráditório. No entanto, pelas expressões acima vê-se que o Estado de Minas nada se preocupou com princípios da imparcialidade e do equilíbrio, que deveriam presidir a atividade jornalística.

Lembre-se que a Lista de Furnas foi considerada autêntica pelo Instituto Nacional de Criminalística, da Polícia Federal. E que foi referenciada positivamente no próprio TJMG, em sentença específica. E mais: que o Minstério Público Federal, no Rio de Janeiro, a tomou como ponto de partida para um inquérito que corre em segredo de justiça. Agora, mais uma sentença judicial reconhece a autenticidade da mesma. Até quando e por qual motivo permanecerá a tentativa de desqualificação dela?

A decisão do TJMG aponta para outras repercussões. Matérias de natureza idêntica, veiculadas pela revista “Veja”, contra Rogério Correia, ainda serão objetivo de apreciação judicial. Espera-se que tambem aí seja feita justiça. A condenação de veículos de imprensa que se julgam no direito de imputar a quem quer que seja, acusações gravíssimas, que lhe causem transtornos políticos, pessoais e profissionais é a afirmação da necessidade de que a atividade de imprensa seja menos partidarizada e mais responsável.

O deputado Rogério Correia, além do pleito de direito de resposta, ainda reivindica indenização pecuniária por danos morais, tanto ao jornal Estado de Minas, quanto à revista “Veja”.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Todos somos argentinos


O Brasil e a Argentina, sendo os dois maiores países da América do Sul, têm sido alvos preferenciais do domínio euro-americano em nosso continente. A Argentina, sob Cristina Kirchner, depois de anos desastrados de ditadura militar, e do governo caricato e neoliberal de Menen, se confronta com Madri, ao retomar o controle de suas jazidas de petróleo que estava com a Repsol. Quando um governo entrega, de forma aviltante, os bens nacionais ao estrangeiro, como também ocorreu no Brasil, procede como quem oferece seu corpo no mercado da prostituição. Assim, as medidas de Cristina buscam reparar a abjeção de Menem.

Será um equívoco discutir o conflito de Buenos Aires com Madri dentro dos estreitos limites das relações econômicas. A economia de qualquer país é um meio para assegurar sua soberania e dignidade - não um fim em si mesma.

As elites espanholas, depois da morte de Franco, foram seduzidas pela idéia de que poderiam recuperar sua presença na América Latina, perdida na guerra contra os Estados Unidos e durante a ditadura de quase 40 anos. Já durante o governo de Adolfo Suárez, imaginaram que poderiam, pouco a pouco, readquirir a confiança dos latino-americanos, ofendidos pela intervenção descarada dos Estados Unidos no continente. De certa forma, procediam com inteligência estratégica: a nossa América necessitava de aliados, mesmo frágeis, como era a Península Ibérica, na reconstrução de sua soberania, mutilada pelos governos militares alinhados a Washington.


Mas faltou aos governantes e homens de negócios espanhóis a habilidade diplomática, que se dissimula na modéstia, e lhes sobrou arrogância. Essa arrogância cresceu quando a Espanha foi admitida na União Européia, e passou a receber fartos recursos dos países ricos do Norte, a fim de acertar o passo continental. A sua estratégia foi a de, com parte dos recursos disponíveis, “comprar” empresas e constituir outras em nossos países. Isso os levou a imaginar que poderiam ditar a nossa política externa, como serviçais que foram, e continuam a ser, dos Estados Unidos. A idéia era a de que, em espanhol, os ditados de Washington seriam mais bem ouvidos.

O paroxismo dessa paranóia ocorreu quando José Maria Aznar telefonou ao presidente Duhalde, da Argentina,determinando-lhe que aceitasse as imposições do FMI, sob a ameaça de represálias. E a insolência maior ocorreu, e sob o governo socialista de Zapatero, quando esse heróico matador de paquidermes indefesos, Juan Carlos, mandou que o presidente Chávez (eleito livremente pelo seu povo, sob a fiscalização de observadores internacionais, entre eles o ex-presidente Carter) se calasse, no encontro iberoamericano de Santiago. Um rei matador de elefantes indefesos e sogro de um acusado de peculato - o bem apessoado serviçal da Telefónica de Espanha, Iñaki Urdangarin, pago com lucros obtidos pela empresa na América Latina, principalmente no Brasil.

Os espanhóis parecem não se dar conta de que as suas antigas colônias se tornaram independentes, umas mais cedo – como é o caso da Argentina – e outras mais tarde, embora muitas passassem ao domínio ianque. Imaginaram que podiam fazer o que faziam antes disso no continente – e incluíram o Brasil na geografia de sua presunção.

O Brasil pode e deve, ser solidário com a Argentina, no caso da recuperação, para seu povo, das jazidas petrolíferas da YPF. E manter a nossa posição histórica de reconhecimento da soberania de Buenos Aires sobre o arquipélago das Malvinas.

Que querem os espanhóis em sua gritaria por solidariedade contra a Argentina, pelo mundo afora? Eles saquearam tudo o que puderam, durante o período colonial, em ouro e prata. Usaram esses recursos imensos – assim como os portugueses fizeram com o nosso ouro – a fim de construir castelos e armar exércitos que só se revelaram eficazes na repressão contra o seu próprio povo – como ocorreu na guerra civil.

Durante o seu período de arrogância subsidiada, trataram com desdém os mal chamados iberoamericanos, humilhando e ofendendo brasileiros e latino-americanos, aviltando-os ao máximo. Um só ser humano, em sua dignidade, vale mais do que todos os poços de petróleo do mundo. Antes que Cristina Kirchner determinasse a recompra das ações da YPF em poder da Repsol, patrimônio muito maior dos argentinos e de todos os latinoamericanos, sua dignidade, havia sido aviltada, de forma abjeta e continuada, pelas autoridades espanholas no aeroporto de Barajas e em seu território.

Que se queixem agora aos patrões, como seu chanceler, Garcia-Margallo fez, ao chorar nos ombros da senhora Clinton, e busquem a solidariedade de uma Europa em frangalhos. Ou que rearmem a sua Invencível Armada em Cádiz, e desembarquem no Rio da Prata . Isso, se antes, os milhões de jovens desempregados - a melhor parcela de um povo maravilhoso, como é o da Espanha - não resolvam destituir suas elites políticas, corruptas, incompetentes e opressoras, e seu rei tão ocioso quanto descartável.

E, ao final, vale lembrar a viagem histórica que Eva Perón fez à Europa, no auge de sua popularidade. Em Madri, diante da miséria em que se encontrava o povo, ofereceu a Franco, em nome do povo argentino, alguns navios cheios de trigo. O general respondeu que não era necessário, que os celeiros espanhóis estavam cheios de farinha. E Evita replicou, de pronto: ¿entonces, por qué no hacen pan?


Mauro Santayana

domingo, 22 de abril de 2012

Dilma bate novo recorde de popularidade com aprovação de 64% dos brasileiros

R7.com


O governo de Dilma Roussef atingiu novo recorde de popularidade, com aprovação de 64% dos brasileiros, que disseram considerar a atual gestão “ótima” ou “boa”, revela pesquisa Datafolha divulgada neste domingo (22) pelo jornal Folha de S.Paulo.

Esta é a maior taxa de popularidade de Dilma desde sua posse, em 1º de janeiro de 2011. Em janeiro deste ano, o Datafolha apontou aprovação de 59% dos entrevistados. No mês de junho do ano passado,

Ainda de acordo com o levantamento, a gestão de Dilma é regular para 29% dos entrevistados, quatro pontos percentuais abaixo da marca de janeiro (33%). Ruim ou péssimo foi a resposta de 5% dos brasileiros consultados, contra 6%% em janeiro.

A pesquisa foi realizada entre os dias 18 e 19 de abril com 2.588 pessoas em 161 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Questionados sobre quem deveria ser o candidato do PT nas próximas eleições, em 2014, 57% dos entrevistados escolheram Luiz Inácio Lula da Silva. Dilma é a favorita de 32%. Para 6%, nenhum dos dois deveria concorrer. Outros 5% não souberam responder a pergunta.

Segundo o Datafolha, no entanto, Dilma está tecnicamente empatada com seu antecessor, levando em conta grupos considerados formadores de opinião e a margem de erro. Entre eleitores com renda acima de dez salários mínimos, Dilma tem preferência de 48% contra 45% de Lula.

CNI/Ibope

Pesquisa CNI/Ibope publicada em abril deste ano apontou que a aprovação da presidente Dilma Rousseff chegou a 77%. No levantamento anterior, feito em dezembro, o número era de 72%. Esta foi a melhor marca obtida pela presidente em 12 meses.

No levantamento, apenas 19% desaprovavam Dilma. No fim do ano passado, a taxa de rejeição era de 21%.

O desempenho de Dilma superou ainda os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (57%) e Luiz Inácio Lula da Silva (60%) no segundo ano de seus primeiros mandatos.